Produtora adquire direitos para montar musical ‘A Pequena Sereia’ no Brasil

Por Maria Luísa Barsanelli

A produtora IMM (de “My Fair Lady” e “Cantando na Chuva”) adquiriu da Disney os direitos para montar no Brasil a versão musical de “A Pequena Sereia”. A cessão prevê que a peça seja encenada no período de um ano, a partir de 1º de março de 2018, no teatro Santanter, em São Paulo.

Autorizado a captar R$ 9,9 milhões via Rouanet, o projeto levado ao MinC lista como diretora e coreógrafa Lynne Kurdziel (que dirigiu montagens da obra outros países).

Procurada, a IMM não se manifestou até a publicação deste texto.

Armorial

 

Grupo Barca dos Corações Partidos em ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, tributo aos 90 anos do escritor; estreia em 15/6 no teatro Riachuelo, no Rio (Silvana Marques/Divulgação)

Ode

 

Atualmente em cartaz com o grupo Atores de Laura com “Ubu Rei”, o ator Marco Nanini diz que está “namorando” outro diretor para trabalhar no futuro: Marcio Abreu, da Cia. Brasileira de Teatro.

Nanini também planeja uma montagem de “As Cadeiras”, de Ionesco, em parceria com Camila Amado.

“Mas não é um espetáculo para um grande público. Quero criar um outro canal para mim com peças menores, em que eu possa experimentar com vários artistas”, afirma o ator, que pensa em encenar o trabalho, ainda sem data, no seu Galpão Gamboa, na zona portuário do Rio.

Verbo Gustavo Machado estreia em 30/6, no Sesc Ipiranga, “A Voz que Resta”, solo escrito e dirigido por Vadim Nikitin que dialoga com “A Voz Humana”, de Jean Cocteau, e “A Última Gravação de Krapp”, de Samuel Beckett.

Verve O ator Eduardo Okamoto estreia sua primeira peça infantil em 3/6 no Sesc Consolação. “O Dragão de Fogo” tem direção de Marcelo Lazzaratto, texto de Cássio Pires e se inspira no estilo da Ópera de Pequim.

Vida O mesmo espaço recebe, em 26/6, “Imortais”, texto de Newton Moreno dirigido por Inez Viana e com Denise Weinberg, Simone Evaristo e Michele Boesch no elenco.

Pequeno ato

 

CHORUME, o suco do lixo, o resíduo, o restante, O DESCARTE, a rima remota, o rebote, O AROMA DO ATO FALHO, a água do aterro, O ERRO, a sobra feliz dos destroços, os ossos, suprassumo dos enganos humanos, O COCÔ do cavalo do bandidoo dito por não dito, a sombra da caçamba em chamas, reciclagem das palavras planas, o perene gene do desassossego, DEGREDO, o amor intransigente por migalhas, AS FALHAS, o refúgio prodigioso dos canalhas, AS TRALHAS, o adubo infalível da miséria, O EXÍLIO INEVITÁVEL DE MEDEIA, O ESPELHO DOS PORÕES DE UMA PLATEIA, o extra, o anti, o estorvo,o anormal, o nunca e o NEM A PAU, O NÃO NU EM PELO, o deslize sem apelo, o desvio do novelo, os restos, as raspas, o excerto,O ESTRUME, mistérios movediços de um perfume, CHORUME.

Trecho de “Chorume”, de Vinicius Calderoni, que estreia em 1º/7 no Sesc Bom Retiro.