Bete Coelho irá dirigir versão teatral de ‘O Aquário’, romance de Cornélia de Preux

Por Maria Luísa Barsanelli

Bete Coelho irá dirigir neste ano “O Aquário”, versão teatral do romance de estreia de Cornélia de Preux.

Antes, uma leitura cênica da peça, traduzida e adaptada por Reto Melchior, terá apresentação gratuita na Semana da Francofonia em 25/3, às 19h30, no teatro Aliança Francesa. O elenco conta com Nilton Bicudo, Fabiana Gugli, Luiza Curvo e Robson Catalunha. Após a sessão, haverá uma conversa com a autora.

A obra da escritora franco-suíça retrata uma família que acaba por se isolar do mundo.

Virtual

 

Deborah Evelyn e Johnny Massaro (ao fundo) estão em ‘Estranhos.com’, texto de Laura Eason com direção de Emílio de Mello; estreia nesta sexta-feira (17) no teatro Vivo (Lenise Pinheiro/Folhapress)

“Experimento com Bola de Demolição sobre Objetos de Uso Diário”, que o dramaturgo Antonio Salvador apresenta no Salão de Paris, será montada pelo Coletivo de Areia.

Novo lar A Casa Livre, sede da Cia Livre que foi fechada no ano passado, reabre em novo endereço (r. Conselheiro Brotero, 191) no dia 26/3.

Mergulho “Ofélia em Mim”, nova peça de Franz Keppler, terá direção de José Roberto Jardim. Uma primeira leitura encenada do texto, inspirado no projeto fotográfico de Sérgio Santoian sobre a morte da personagem shakespeariana, acontece no dia 29/3, às 20h30, na SP Escola de Teatro.

Eis a questão

 

Antunes Filho estava na plateia do último sábado (11) de “Hamlet – Processo de Revelação”, com texto e atuação de Emanuel Aragão e direção de Adriano e Fernando Guimarães. A peça foi pensada como uma conversa com os espectadores, e o ator deixa claro que a duração pode variar (já chegou a três horas) e o público pode sair antes do fim.

A certa altura, Antunes, 87, se levantou, se apresentou à plateia (“licença, eu sou o Antunes Filho”), foi à beira do palco cumprimentar Emanuel e pediu desculpas por ter de sair mais cedo, mas fez questão de voltar-se ao público e dizer: “Mas ele tá muito bem, viu? Muito bem!”.

Pequeno ato

 

MARCO – Eu comecei a seguir as tuas estrias e saquei que na verdade elas não são estrias. Ela são escrituras. Escrituras de Deus. E, se eu conseguisse decifrar essas escrituras, todos os mistérios seriam revelados. E eu me senti tocado por Deus! Foi divino!

SUZANA – Você não acredita em Deus, Marco.

MARCO – Nesse eu acredito.

SUZANA – No Deus das pernas?

Trecho de “Flutuante”, texto de Caco Galhardo com direção de Mauro Baptista Vedia que estreia no dia 7 de abril no Teatro Sérgio Cardoso.