Carla Candiotto planeja versão teatral de ‘As Viagens de Gulliver’

Por Maria Luísa Barsanelli

Carla Candiotto, diretora de peças infantis como “Histórias por Telefone” (2011) e “Canção dos Direitos da Criança” (2015), planeja uma versão teatral de “As Viagens de Gulliver”.

“Eu queria mostrar para crianças diversos pontos de vista e é isso que Jonathan Swift [autor do livro] faz”, conta a encenadora, que imagina fazer um espetáculo musicado (mas não um musical).

O projeto está em fase de captação. Candiotto também adquiriu os direitos de “Momo e o Senhor do Tempo”, do alemão Michael Ende.

À espera

 

Elias Andreato e Claudio Fontana em "Esperando Godot", de Samuel Beckett; a montagem, dirigida por Andreato, estreia no dia 9 de setembro no Tucarena (João Caldas/Divulgação)
Elias Andreato e Claudio Fontana em “Esperando Godot”, de Samuel Beckett; a montagem, dirigida por Andreato, estreia no dia 9 de setembro no Tucarena (João Caldas/Divulgação)

Todos nós

 

Em cartaz com “Nós”, do Grupo Galpão, a atriz Teuda Bara, 75, diz ter ouvido muitas histórias dos espectadores. “As pessoas se veem de alguma forma no espetáculo. Já ouvi gente que se lembrou da mãe com Alzheimer e um rapaz que começou a chorar porque se lembrou da prisão.”

Da esquerda para a direita, os atores Teuda Bara, Chico Pelúcio, Paulo André, Júlio Maciel, Eduardo Moreira, Antonio Edson e Lydia Del Picchia em cena de 'Nós', nova montagem do Grupo Galpão (Lenise Pinheiro/Folhapress)
Da esq. para a dir., os atores Teuda Bara, Chico Pelúcio, Paulo André, Júlio Maciel, Eduardo Moreira, Antonio Edson e Lydia Del Picchia em cena de ‘Nós’, nova peça do Galpão (Lenise Pinheiro/Folhapress)

Ao fim da peça, quando o palco se transforma numa espécie de balada (à qual se junta o público), a atriz conta ter escutado as mais diversas “cantadas”. “Ah, me chamam de gostosa, falam até umas pornografias. Mas não vou falar [a pornografia] no jornal, não”, ri ela. “Eu morro de dar risada, porque é espontâneo.”

De visita Autor de “O Escândalo Philippe Dussaert”, o dramaturgo francês Jacques Mougenot virá, no dia 31, para a sessão para convidados da montagem, que tem atuação de Marcos Caruso e direção de Fernando Philbert. A temporada acontece no Teatro Maison de France, no Rio.

Qual é a música? O diretor Gustavo Gasparani (de “Gilberto Gil, Aquele Abraço – O Musical” e “Garota de Ipanema, o Amor É Bossa”) trabalha em mais dois musicais brasileiros: “Terra à Vista”, que conta a história do Brasil por meio da música; e “Bem Sertanejano”, sobre o nascimento do gênero. As produções devem estrear no próximo ano.

Pequeno ato

 

Se jejuarem, causarão um dano a vocês mesmos; e, se orarem, serão condenados; e se derem esmolas, prejudicarão os seus espíritos. E, quando forem a uma região qualquer, ao vaguearem pelos campos, comam o que lhes for servido, curem os doentes que por lá houver. Pois o que entrar nas suas bocas não os corromperá mas o que sair de suas bocas, isto sim os corromperá.

Trecho da peça “Palavras Esquecidas “? O Evangelho Segundo Tomé”, do ator e bailarino Antonio Interlandi, com locução da atriz portuguesa Maria de Medeiros e supervisão da diretora francesa Nita Klein; a montagem estreia no dia 15 de setembro no Teatro Eva Herz